Focada em contribuir de forma saudável ao meio ambiente, a Advanced Cyclone Systems também investe em qualidade para seus clientes

0
394

Dedicada ao desenvolvimento e comercialização de sistemas de ciclones de alta eficiência, a Advanced Cyclone Systems (ACS), trabalhando em prol da sustentabilidade e mantendo elevados níveis de qualidade em seus serviços e entregas, confirma sua participação na Feira Internacional de Bioenergia, em Sertãozinho.

Para Tiago Salazar Couto, Diretor da marca, “a tecnologia da ACS é fundamental”. Através de seus ciclones de alta eficiência, a empresa contribui com um meio ambiente mais saudável, através da melhoria da qualidade do ar e da saúde.

Tiago ainda conta que, parte dos seus investimentos até 2020 é focado exclusivamente no contínuo desenvolvimento de sistemas de desempoeiramento de particulado com base em ciclones. A missão, segundo ele, é pensar principalmente nos clientes quanto a custo, investimento e eficiência.

Tudo isso e muito mais você confere abaixo, através da entrevista realizada para a plataforma “Energia que fala com você”, contando sobre focos, inovações, novidades e expectativas para a 27ª Fenasucro & Agrocana. 

Fenasucro & Agrocana: A sanção do RenovaBio colocou o Brasil definitivamente na rota de biocombustíveis e trouxe uma nova expectativa para a indústria sucroenergética. Como sua empresa tem se preparado para participar deste novo cenário?

Tiago Couto: Um dos objetivos da Política Nacional de Biocombustíveis (renovaBio) é “assegurar previsibilidade para o mercado de combustíveis, induzindo ganhos de eficiência energética e de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa na produção, comercialização e uso de biocombustíveis”. Assim, há uma valorização de descarbonização dos biocombustíveis que é conseguido através da substituição do derivado fóssil pelo combustível renovável, ao fazer isso, as empresas são recompensadas com um título de Crédito de Descarbonização por Biocombustível (CBIO). Isso gera uma excelência no ambiente de negócios através de ganhos de eficiência ambiental pelas empresas, que precisarão investir em novas tecnologias redutoras de emissões.
Neste contexto a tecnologia da ACS é fundamental e estamos nos alinhando com as usinas de açúcar e álcool através do desenvolvimento de sistemas de ciclones numericamente otimizados para caldeiras dessa indústria, que permitem atender os limites de emissão de particulado exigível para a queima de bagaço, evitando os custos de manutenção dos lavadores e os elevadíssimos custos de investimento dos precipitadores. Assim, a ACS do Brasil, através de seus ciclones de alta eficiência, contribui com um meio ambiente mais saudável, através da melhoria da qualidade do ar e da saúde.

Fenasucro & Agrocana: Na visão da marca, quais os principais desafios que o setor enfrenta no biênio 2019-2020?

Tiago Couto: O setor sucroenergético a partir dos anos 2000 vivenciou um período de fortes investimentos, como a ampliação da capacidade produtiva e a construção de inúmeras usinas no Brasil. Os efeitos da crise financeira mundial de 2008, o aumento nos custos de produção do etanol devido a política de controle de preços e a desoneração tributária da gasolina no mercado interno, mudou de forma drástica essa trajetória de crescimento.
Assim, a crise financeira mundial, as mudanças no sistema de produção e no controle de pragas e doenças, nas emissões de gases somado a restrição de investimentos na produção, impactaram negativamente nos índices de produtividade, rendimentos e custos. Muitas usinas fecharam e outras funcionam abaixo de sua capacidade.
Assim, dentre os desafios está o das empresas de conseguirem se organizar e melhorar sua eficiência neste cenário pós crise, de tentar retomar a produtividade agrícola de outrora e, através do RenovaBio ser capaz de alavancar investimentos de forma a conseguir participar do programa e auferir os benefícios da comercialização dos CBIOs.
Cabe ressaltar que a produção e a utilização de etanol no Brasil proporcionam uma redução de até 90% nas emissões de gases causadores do efeito estufa comparado com a gasolina. Faz-se mister consolidar a produção de etanol a partir da cana-de-açúcar; organizar esse mercado; estabilizar a distribuição desses produtos e buscar o desenvolvimento dos biocombustíveis a partir das diversas fontes de biomassa como o bagaço de cana.

Fenasucro & Agrocana: Qual o foco de investimentos de sua empresa até 2020?

Tiago Couto: O investimento da ACS até 2020 e nos anos seguintes está focado no contínuo desenvolvimento de sistemas de desempoeiramento de particulado com base exclusivamente em ciclones. O desafio que temos pela frente é muito exigente, pois os limites de emissão de particulado têm tendência a baixar para níveis só atingíveis por outras tecnologias já mencionadas, como Filtros de Mangas e Precipitadores Electrostáticos. A nossa missão de libertar os clientes dos custos e inconvenientes dessas tecnologias implica um investimento muito elevado em Investigação e Desenvolvimento em ciclones cada vez mais eficientes. Nenhuma outra empresa a nível mundial tem este foco e essa ambição de chegar tão longe com ciclones.
Localmente, como no sector da Bioenergia no Brasil, o investimento centra-se também numa atividade técnico-comercial para estar mais próximo dos clientes – as usinas – e compreender todas as suas necessidades.

Fenasucro & Agrocana: A Fenasucro & Agrocana é o único evento com foco exclusivo no setor de bioenergia e que também atrai outras indústrias que buscam por tecnologias, soluções e oportunidades de negócios focados em maior eficiência energética e produtividade, qual a relação da sua marca com o evento?

Tiago Couto: A Advanced Cyclone Systems (ACS) é uma sociedade exclusivamente dedicada ao desenvolvimento e comercialização, a nível mundial, de sistemas de ciclones de alta eficiência. Ela trabalha em cooperação estreita com os seus clientes de forma a projetar sistemas de ciclones customizados que resolvam, efetivamente, o controle de emissão de partículas em caldeiras, fornos e secadores e a recuperação de produtos nas indústrias química, alimentar e farmacêutica.
Nossa tecnologia é inovadora e atende as necessidades dos clientes que exigem um sistema de despoeiramento muito eficiente e robusto o suficiente para funcionar por muitos anos sem custos manutenção e operação significativos, evitando paragens de produção, e com um custo de investimento razoável.
Através da Fenasucro apresentaremos nossos ciclones de alta eficiência às usinas de açúcar e álcool, aos fabricantes de caldeiras e demais indústrias que possuem caldeiras de biomassa com o intuito de disseminar nossa tecnologia no setor e assegurar que os nossos equipamentos permitam atender os limites de emissão de particulado exigível para a queima de bagaço, evitando os custos de manutenção dos lavadores e os elevadíssimos custos de investimento dos precipitadores.

Fenasucro & Agrocana: Compartilhe conosco a sua expectativa para a Fenasucro & Agrocana 2019 e nos ajude a construir a melhor feira para a sua empresa.

Tiago Couto: Nossa expectativa é de conseguir fechar bons negócios, então para nós a Fenasucro tem que ser capaz de atrair o máximo de gestores das usinas, pois são tomadores de decisão, além de outras empresas interessadas na tecnologia voltada para o controle de emissões.


Quer ficar por dentro das novidades, aproveitar a oportunidade de ser um dos primeiros credenciados para participar do evento e ainda conferir os lançamentos que a Advanced Cyclone Systems apresentará? É só acompanhar os canais oficiais da Fenasucro & Agrocana e clicar no botão abaixo para ser avisado em primeira-mão quando o credenciamento estiver aberto.