Foto: autoissue imagens

Formar um núcleo facilitador da adoção da manufatura aditiva por meio de mapeamento de informações, promoção de P&D e, principalmente, a facilitação de acesso a experimentações e testes de protótipos, além da caracterização de materiais e produtos produzidos por meio da tecnologia: são estes os objetivos contidos na proposta de criação de um hub da tecnologia, a qual foi apresentada no dia 10 de maio por representantes do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), Instituto Tecnológico de Aeronáutica – Centro de Competência em Manufatura (ITA – CCM) e Instituto Senai de Inovação em Processamento a Laser a um grupo de 60 convidados.

A ideia é reunir fornecedores, usuários e instituições de ciência e tecnologia (ICTs) em um grupo que seja imparcial e adote evidências técnicas como base de suas ações. O grupo propõe iniciar as atividades por aquelas de maior impacto e menor custo, como a criação da própria rede, o mapeamento e disseminação de cursos em manufatura aditiva e também o acompanhamento dos principais eventos brasileiros e mundiais.

“Os principais benefícios esperados para as empresas usuárias, com a criação do hub, são a redução dos custos de monitoramento das tecnologias, a avaliação das técnicas mais adequadas e a identificação de oportunidades de aplicação”, explica o pesquisador Daniel Leal Bayerlein, do Laboratório de Processos Metalúrgicos do IPT.

Essa é uma seleção de conteúdo da Reed Exhibitions Alcantara Machado sobre o mercado. Para continuar lendo, visite TI Inside.