As 13 primeiras a buscar a certificação RenovaBio

0
844
Área de produção da Usina Cerradinho, em Chapadão do Céu (GO): unidade está entre as oito primeiras de etanol na busca da certificação RenovaBio. Crédito: Divulgação/Cerradinho

Oito unidades produtoras de etanol e cinco de biodiesel são as primeiras a buscar a certificação do RenovaBio.

O “Energia Que Fala Com Você” levantou junto a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) os nomes das 13 unidades em fase de processo.

O levantamento apura informações até segunda-feira (29/07/19) de unidades na chamada fase de consulta pública, que é a última antes de haver o resultado da certificação.

Por ordem cronológica, as unidades fabricantes de etanol em fase certificação são a Vale do Paraná, do Grupo Pantaleon; Usina Iracema, do Grupo São Martinho; Unidades Octávio Lage e Jalles Machado, do Grupo Jalles Machado; Usina da Mata; Usina Conquista do Pontal, da ATVOs; Usina Cerradinho, da Cerradinho Bioenergia; e a unidade da Nardini Agroindustrial.

Já as cinco empresas ligadas a biodiesel na mesma fase são: Unidade Porto Real da Olfar; Unidade JBS Biocamp e Unidade JBS Biodiesel Lins, do Grupo JBS; e BSBIOS de Marialva e BSBIOS Passo Fundo, do Grupo BSBIOS.

Uma vez encerrada a fase de consulta pública, que é de 30 dias, a unidade estará sujeita à liberação da chamada nota de eficiência, na qual constará a ‘nota’ da usina em processo de certificação.

Créditos para comercialização

Oficialmente denominado Política Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio incentiva os biocombustíveis sem gerar subsídios ou usar dinheiro público.

O programa certifica as unidades e lhes dá o direito de comercializar créditos de descarbonização, os CBIOs.

Para vender esses créditos, no entanto, cada unidade precisa passar pelo processo de certificação no qual revela quanto de emissões de poluentes gera.

Quanto melhor a nota, ou seja, menos emissões por conta de uso excessivo de óleo diesel, maior a autorização para vender CBIOs.