A safra de cana-de-açúcar 2019/20 terminará antes do previsto, como antecipou o ‘Energia Que Fala Com Você’.

Em 05 de setembro, esta plataforma destacou o conteúdo “Em ritmo acelerado, safra deve terminar antes no Centro-Sul.”

Segundo o texto, até o fim de agosto as usinas do Centro-Sul tinham processado o equivalente a 60% da expectativa de moagem de 580 milhões de toneladas para a temporada.

O tempo seco ajudou as usinas a acelerar a moagem e, assim, a safra terminaria em novembro, destacou “Energia Que Fala Com Você.”

Pouco mais de um mês depois, na quarta-feira (09 de outubro) a União da Indústria de Cana-de-Açúcar, a UNICA, que representa o setor sucroenergético, informa que a safra já terminou para sete das usinas do Centro-Sul.

A região Centro-Sul concentra mais de 80% da produção nacional de açúcar, etanol e bioeletricidade.

As 7 que finalizaram a moagem nesse ano registraram quebra de quase 25%.

A moagem menor é uma característica da safra em andamento e que, oficialmente, termina em 30 de março de 2020.

Para se ter ideia, o último levantamento da UNICA, com informações até 01/10, destaca que a moagem acumulada na safra alcançou 472,80 milhões de toneladas.

O volume é 2,71% acima das 460,34 milhões de toneladas processadas até 01/10 da safra anterior.

Geralmente a safra termina entre fim de novembro e começo de dezembro entre as usinas do Centro-Sul. Depende muito das condições climáticas, uma vez que por tradição costuma chover nesse período.

Mas independente das condições climáticas, a safra deverá ser concluída nas primeiras semanas de novembro.

No Paraná, onde 19 usinas operam na safra 19/20, a moagem termina no próximo mês, relata a Alcopar, entidade representativa do setor.

Moagem ficará abaixo do previsto

Diante a situação, “Energia Que Fala Com Você” estima que a moagem da safra dificilmente alcançará as 580 milhões de toneladas previstas pelas consultorias especializadas.

Isso porque o processamento está em 472 milhões de toneladas e, na média, as usinas têm moído 65 milhões de toneladas por mês.

Sendo assim, precisariam moer 102 milhões de toneladas até o começo de novembro para cumprir a previsão.