FIEE traz para São Paulo discussões sobre inovações e políticas públicas para Cidades inteligentes

0
1114

Tema é um dos destaques de uma das quatro Conferências ABINEE TEC que estão sendo realizadas na feira

Cidades que conseguem se desenvolver economicamente ao mesmo tempo que aumentam a qualidade de vida dos habitantes ao gerar eficiência nas operações urbanas. Essas são as cidades inteligentes, conceito que vem ganhando cada vez mais força pelo mundo e também no Brasil. Para debater os desafios e oportunidades, a FIEE – 29ª Feira Internacional da Indústria Elétrica, Eletrônica, Energia e Automação, realizada esta semana, no São Paulo Expo debate políticas públicas e inovações para cidades inteligentes nesta quinta (27/7) e sexta (28/7), durante o ABINEE TEC, que ocorre dentro da feira.

O Diretor do Departamento de Inclusão Digital do MCTIC – Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Américo Tristão Bernardes e a Secretária-Adjunta de Inovação e Tecnologia da Cidade de São Paulo, Marianna Sampaio participam do painel “Política Pública para Cidades Inteligentes”, na quinta, às 15h, na Conferência Tecnologia e Sustentabilidade do ABINEE TEC.

Parcerias Público Privadas (PPP), conectividade e interoperabilidade para criação de soluções e novos negócios serão abordadas no segundo painel de quinta. As palestras serão ministradas por Vinicius Garcia de Oliveira, Coordenador do Estudo de IoT do CPQD, uma instituição independente, focada na inovação com base nas tecnologias da informação e comunicação (TICs) e Eduardo Kaplan, Coordenador da Frente Cidades Inteligentes do Estudo de Internet das Coisas (IoT) do BNDES.

Para o Diretor de Relações Governamentais da QUALCOMM, Francisco Soares, que mediará o debate, é de fundamental importância que esse tema seja tratado em um evento, como a FIEE, que conta com a participação dos principais agentes em inovação da indústria elétrica, eletrônica, energia e automação. “A implantação de cidades inteligentes no Brasil só será viabilizada com o apoio financeiro do Governo. Por isso, será uma interessante oportunidade de ouvir órgãos como o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e o BNDES para avaliar como faremos no Brasil”, analisa Soares. O BNDES encomendou um estudo para o diagnóstico e a proposição de plano de ação estratégico para o país em Internet das Coisas. O estudo, que está sendo conduzido pelo consórcio McKinsey/Fundação CPqD/ Pereira Neto Macedo e será finalizado em setembro deste ano, identificou verticais prioritárias: saúde, rural e cidades inteligentes. “A Internet das Coisas pode contribuir de maneiras inimagináveis nas cidades, como em automação residencial, controle de tráfego, segurança pública, otimização da produção e consumo de energia, entre outros. Porém, a qualidade da conectividade é um gargalo e um desafio para colocar tudo em prática”, assinala o executivo.

Na sexta-feira (28/7), as inovações e oportunidades das cidades inteligentes serão abordadas em um painel, que será aberto pelo Coordenador-geral de Ciência e Tecnologia do MCTIC – Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Thales Marçal Vieira Netto com uma apresentação sobre a proposta de Política Pública do Plano Nacional de IoT, às 14h10. Na sequência, o Coordenador da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Carlos Venícius Frees, o Chefe de Divisão do Inmetro, Rodolfo Saboia Lima de Souza e Thales Marçal Vieira Netto, do MCTIC debatem o ambiente de demonstração e qualificação de tecnologias para cidades inteligentes. O debate será mediado por Vitor Amuri Antunes, fundador da SPIn, um instituto para fomentar soluções públicas inteligentes. Ele mostrará também como transformar as cidades brasileiras até 2020.

O último painel da conferência tratará da sustentabilidade energética inserida no conceito de cidades inteligentes no Brasil, com a participação da arquiteta da Eletrobras – PROCEL, Estefânia Mello e o CEO da GridVortex Systems Mediador, Jonny Doin.