Petrobras sofre menos com os preços em baixa do petróleo WTI. Entenda o porquê

0
637

O mercado internacional de petróleo sofreu abalo histórico em 20 de abril. Nesse dia, o preço do barril do tipo WTI entrou pela primeira vez no terreno negativo e foi negociado por menos de US$ 37,63.

A cotação negativa que corresponde a menos 305% que na sessão do dia 19 de abril, atinge os preços do barril de WTI negociado na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex) para entrega em maio.

Por sua vez, os valores do barril do West Texas Intermediate, o WTI, seguiram baixos nos últimos dias, mas dificilmente derreterão negativamente.Isso porque o valor do último dia 20 foi pontual.

Analistas e agentes do mercado de O&G entendem muito bem da situação. Mas para os demais profissionais o fato só gerou confusão em meio a já complexa pandemia de covid-19. Em Energia Que Fala Com Você alinhamos a seguir os motivos do desastre e porque ele não afeta tanto a Petrobras.

Prestes a expirar

A negativação do valor do WTI em 20 de abril atingiu os contratos na Bolsa de NY com entrega em maio. Esses estavam prestes a expirar no dia 21 e os detentores dos contratos tiveram de tomar posse do petróleo comprado na segunda-feira.

Sem cancelar

Os titulares da aquisição foram incapazes de armazenar o petróleo e preferiram fazer o que no jargão do mercado é chamado de compensar a “contraparte”: pagar para cancelar a compra. E foi isso que gerou o preço negativo.

Estocagem cara

A decisão de pagar para cancelar a compra se deu por motivo de que os detentores dos contratos não tiveram como assumir os altos custos com armazenagem, até porque os dutos e a capacidade de estoque dos EUA estão saturados.

Petrobras não é tão afetada

A crise de demanda devido a covid-19 e a queda de preços do petróleo em meio à ‘guerra’ entre países produtores afetam diariamente a Petrobras, mas o fato de segunda-feira poupou a petroleira.

Os motivos desse alívio têm uma resposta: a produção da Petrobras não é negociada pelo preço de referência do WTI, mas do Brent.

WTI e Brent

O WTI é usado como referência na negociação do petróleo dos EUA, processado principalmente em terra. De seu lado, o Brent é uma mistura de petróleos produzidos no mar do Norte e funciona como uma referência global.

Descolamento entre um e outro

“Há um descolamento completo entre o Brent e o WTI. Espera-se que o Brent reflita melhor os fundamentos do mercado global de petróleo”, disse o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Helder Queiroz, ao Valor.

Valores em alta

Passado o terremoto dos contratos vencidos em maio, os que vencem em junho vivenciam realidade mais positiva. No início da tarde desta quinta-feira (23/04) esse contrato de WTI operava em forte alta de 28,30%, a US$ 17,68.

O Brent também seguia em alta nessa quinta-feira: US$ 22,25 por barril na ICE, bolsa de Londres. Trata-se de avanço de 9,23% sobre o dia anterior.

Em recentes entrevistas, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, destacou que a petroleira trabalha para sobreviver com a cotação do Brent na casa dos US$ 25.