Foto: Reprodução

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta terça-feira (13/04) que o país está bem posicionado no processo mundial de transição energética para uma economia de baixo carbono. Durante o Brazil Conference at Harvard & MIT, ele disse que o Brasil “possui múltiplas possibilidades de cooperação internacional e parcerias empresariais e de negócios”. 

“As características da nossa matriz, do planejamento energético, do acervo de políticas e de nossas capacidades industriais e em pesquisa e desenvolvimento permitem que ocupemos uma posição privilegiada”, afirmou Albuquerque. As energias renováveis, como a hidroeletricidade, bioenergia, eólica e solar, respondem por 47% do fornecimento de energia primária no Brasil. A média mundial é de 19%. Em relação à matriz elétrica, responsável pela geração de energia no país, as fontes limpas e renováveis representam 83%. 

De acordo com o ministro, mesmo com o aumento na demana por energia no país até 2030, a intensidade de carbono continuará baixa, “podendo até diminuir”. Durante o evento, que também contou com a participação de Luis Henrique Guimarães, CEO da Cosan; Maurício Bahr, CEO da Engie S/A; Fabio Zanfelice, CEO da Votorantim Energiao governo anunciou o programa ‘Biocombustível do Futuro’, previsto para este mês. 

Essa é uma seleção de conteúdo da Reed Exhibitions sobre o mercado. Para continuar lendo, visite o site Época Negócios com a matéria completa.