PLD entrou em 2021 com novo formato
Crédito: Arek Socha/Pixabay

Desde janeiro, vigora o novo indicador Preço de Liquidação das Diferenças (PLD).

Ele regulamenta os contratos de compra e venda de energia elétrica e, até 31 de dezembro, tinha o valor calculado uma vez por semana. A partir de agora, terá atualização diária.

Certamente a novidade gera controvérsias porque, apesar de tecnicamente restrito aos agentes do mercado, o indicador mexe com todo o sistema energético brasileiro.

O PLD diário integra um complexo novelo cujo entendimento é bem exigente para quem não é profissional do setor energético.

Para tanto, o portal Energia Que Fala Com Você divulgou em agosto último conteúdo a respeito. Clique aqui para ler o material na íntegra.

Vamos lá.

Em primeiro lugar, a entrada em vigor do PLD horário não é novidade entre os profissionais do setor. Isso porque o assunto é discutido há duas décadas e deveria ter entrado em prática em 2019, mas foi postergado até este janeiro.

Leia também: Chineses reforçam investimentos em energia no Brasil

Mas por que mudar a versão semanal do PLD para diária?

Como relatado anteriormente, o PLD diário é um antiga reivindicação dos agentes do setor, compreendidos, por exemplo, pelos comercializadores, distribuidores e geradores de energia elétrica.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que faz a gestão do PLD, aponta uma série de ganhos com o novo formato.

“O PLD Horário fará com que a precificação da energia comercializada no país reflita de forma mais rápida mudanças nos cenários de geração e consumo ao longo do dia”, relata a Câmara (leia aqui).

Outra vantagem apontada pela entidade: “também abre as portas para a criação de novos produtos e tipos de contratos a serem oferecidos no mercado livre, além de auxiliar o setor em seu processo de modernização.”

Em resumo, o PLD horário marca o início de uma nova forma de precificação do setor. Destaca a CCEE: trata-se de “uma mudança de paradigma que trará uma maior aproximação entre o universo físico, da geração e consumo, e o comercial, de compra e venda.”

Apesar de expressiva, a mudança deverá registrar transição tranquila e segura, aponta a Câmara com base nos dois anos reservados à preparação do mercado.

Como se deu essa preparação?

Vale mencionar que o processamento do PLD a cada hora do dia será realizado pelo Modelo de Despacho Hidrotérmico de Curtíssimo Prazo (Dessem), adotado em janeiro de 2020 pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) na programação de operações. Saiba mais sobre o Dessem aqui.

Em relato, a CCEE explica ter rodado todos os testes necessários e pôde assegurar que será possível operar corretamente a ferramenta em qualquer computador com processadores que usam o mesmo tipo de instrução do AVX e que contam com configurações adicionais, compatíveis com praticamente todos os dispositivos fabricados nos últimos anos. Leia aqui mais sobre o AVX.

Em suma, os agentes foram devidamente treinados em várias atividades proporcionadas pela CCEE.

Apesar de tudo, Talita Porto, vice-presidente do Conselho de Administração da Câmara, relata que nada impede que, ao longo dos primeiros meses, o mercado continue utilizando os métodos atuais (do PLD semanal) “e que o modelo previsor seja implementado quando estiver funcionando de forma estável e consolidada.”

Todavia, os resultados dos cálculos do PLD para cada hora do dia seguinte podem ser consultados no portal e no aplicativo para dispositivos móveis da organização. Vale lembrar que, para ter acesso à visualização, é necessário atualizar o AppCCEE para versão 1.9.0. (ler mais aqui).