Concessões de iluminação projetam crescimento no segundo semestre

Entre as explicações para o crescimento em concessões de iluminação estão os investimentos de prefeitos e prefeitas em primeiro ano de mandato

Concessões de iluminação projetam crescimento no segundo semestre
Crédito da imagem: PSD

As Parcerias Público-Privadas (PPPs) em iluminação pública confirmam presença crescente no mercado nacional. 

Trata-se de um vigoroso resultado para quem têm menos de 7 anos de idade. É que as PPPs surgiram a partir da transferência da responsabilidade da iluminação pública para as prefeituras. Esse encargo era das distribuidoras até 2014. 

A partir daí as concessões entraram no radar dos municípios e, desde então, o país conta com 400 projetos em andamento, em operação ou cancelados, segundo levantamento da consultoria Radar PPP (clique aqui para acessar o estudo em pdf). 

O portal de notícias Energia Que Fala Com Você já tratou do tema em maio, com entrevista (ler aqui) com Pedro Vicente Iacovino, presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Iluminação Pública (ABCIP)

O destaque, agora, é que apesar da pandemia de Covid-19 e seus reflexos também na economia, o mercado de concessão de iluminação pública tende a deslanchar no segundo semestre deste ano. 

Essa expectativa se dá “principalmente em decorrência do desenvolvimento da agenda municipal ao longo do primeiro ano de gestão dos Prefeitos e Prefeitas”, destaca a consultoria na edição de maio do Termômetro do Radar de Projetos.

Leia também: O Brasil está sob risco de apagão? 

Expectativa é de evolução intensa no segundo semestre

Por sua vez, as concessões de iluminação, conforme a Radar PPP, seguem em situação saudável desde janeiro de 2021, quando houve 20 novos projetos. Em termos comparativos, em 2017 foram 14 novos projetos. 

É preciso citar, também, o baixo número de projetos com licitações suspensas em 2021. Nos quatro primeiros meses, foram três, contra cinco em igual período de 2020. 

Tal resultado reforça o otimismo com as PPPs de iluminação pública para o segundo semestre, quando a consultoria espera evolução mais intensa de novos projetos. 

Ao Valor, Guilherme Naves, sócio da consultoria, destaca que grandes projetos deverão ser lançados como os de Campinas (SP), Nova Lima (MG) e Curitiba (PR), Itajaí (SC) e Camaçari (BA). 

Por fim, o segmento de iluminação pública é o que concentra mais PPPs assinadas no país no primeiro quadrimestre: 53 contratos, praticamente 32% das PPPs celebradas – entram aí outros setores, como água e esgoto e resíduos sólidos.