Saiba porque a geração de energia solar cresce tanto – e porque deverá crescer ainda mais

Apenas os pequenos geradores já representam 43% de toda a capacidade da gigante Itaipu.

A geração de energia solar avança no Brasil. E cresce principalmente em telhados, fachadas e pequenos terrenos de residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos.

Por sua vez, essas instalações integram a chamada geração solar distribuída e fecharam o primeiro semestre de 2021 com a marca de 6 gigawatts (GW) de potência instalada, relata a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

Em termos de comparação, os 6 GW equivalem a pouco mais de um terço da capacidade da gigante Itaipu. Melhor dizendo: os telhados e demais instalações solares já têm capacidade equivalente a 43% da mega-hidrelétrica e de suas 20 geradoras, que totalizam 14 GW (leia mais aqui).

O saldo é promissor e tem mais: esses 6 GW somam instalações de até 5 megawatts (MW), denominados minigeração.

Ou seja, são de pequeno porte e confirmam sua estratégia de reforço ao sistema de energia elétrica brasileiro e que, assim como as hidrelétricas, são de fonte renovável. E ao contrário de fontes como gás e óleo, não emitem gases de efeito estufa (os GEEs) durante a geração.

O crescimento da fonte solar já foi destaque aqui no Energia Que Fala Com Você (leia aqui) em 2020.

Pois esse salto todo ocorre desde 2012, quando a Aneel, agência reguladora de energia, criou um sistema de compensação para incentivar a autoprodução. De lá para cá, a Absolar estima investimentos da ordem de R$ 30,6 bilhões.

Aliás, tem um detalhe: fora os 518 mil sistemas solares conectados à rede. Além disso, há também os empreendimentos geradores acima de 5 MW, como usinas de grande porte.

De seu lado, esses comercializam energia solar diretamente com os consumidores. É o chamado Ambiente de Contratação Livre (ACL) – e com a venda em leilões – Ambiente de Contratação Regulada (ACR).

Só para se ter ideia, essas usinas têm potência instalada em operação que, segundo a Absolar, somavam 5,6 GW no começo de junho.

Confira informações de levantamento do começo de junho:

Fonte: Absolar

Projeto cria marco legal da geração de energia solar própria

Pois além dos positivos resultados de implantação de sistemas solares de energia, eles tendem a crescer ainda mais.

Para tanto, será preciso a aprovação, pelo Congresso Nacional, de um marco legal para geração própria de energia renovável, como proposto no Projeto de Lei (PL) 5.829/2019.

Em síntese, esse PL garante em lei o direito do consumidor de gerar e utilizar a própria eletricidade, a partir de fontes limpas e renováveis.

E a fonte solar, que lidera em número de projetos de energias renováveis no Brasil, só tende a avançar. Segundo a Absolar em relato ao UOL estima-se que, apenas neste ano, os investimentos devem alcançar R$ 22,6 bilhões. Em outras palavras, em crescimento de 4,9 GW.