Governo autoriza compra extra de bioeletricidade até o fim de 2022

Aquisição ajuda a enfrentar a escassez hídrica e reforça a importância da energia elétrica produzida pelas usinas.

Governo autoriza compra extra de bioeletricidade até o fim de 2022
Crédito da imagem: Ceise BR

Bioeletricidade, a energia elétrica produzida pela biomassa da cana-de-açúcar, começa a reforçar a oferta de eletricidade já nas próximas semanas. Trata-se de uma participação estratégica, já que o país vive período de escassez hídrica e as hidrelétricas formam a principal fonte de geração. 

Por meio de portaria publicada no dia 23 de julho (leia a íntegra aqui), o Ministério de Minas e Energia (MME) regulamenta a compra extra da eletricidade de biomassa, conhecida por bioeletricidade no setor sucroenergético. 

Aqui vale destacar que a aquisição extra de bioeletricidade viria, e que isso era apenas questão de semanas ou meses. Aliás, em 25 de junho Energia Que Fala Com Você divulgava conteúdo que previa o reforço da energia da cana neste segundo semestre (leia mais aqui).  

Agora esse reforço chega, devidamente amparado pela portaria do MME. 

Para entender mais sobre a novidade, separamos alguns destaques.

  • O primeiro é que a compra extra de energia das usinas será feita até o fim de 2022.
  • Pode participar termelétrica (nome do gerador de eletricidade de biomassa) que esteja ativa no mercado regulado. Além disso, que atende as distribuidoras de energia, ou no mercado livre, de venda para grandes consumidores. 

De maneira idêntica, tanto no primeiro como no segundo caso, as termelétricas das usinas podem participar de forma ativa. Isso porque, em suma, elas podem produzir eletricidade nos 365 dias do ano. Desde que tenham matéria-prima – e por biomassa, entenda-se, além da cana, madeira e outras fontes. 

Ou seja, a bioeletricidade está pronta para reforçar a oferta de energia neste ano, em 2022, bem como nos próximos anos. 

Usinas reforçam oferta com eletricidade renovável

Para entender mais sobre tudo isso, entrevistamos Zilmar José de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA. Confira: 

Por que a portaria é uma boa notícia para o setor sucroenergético?      

Zilmar José de Souza – É um mecanismo inovador e ajudará a viabilizar geração extra renovável até o fim desta safra e, sobretudo, planejar excedentes para a safra do ano que vem, podendo ser a semente para se rediscutir instrumentos regulatórios que estimulem a bioeletricidade.  

Zilmar José de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA.
Zilmar José de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA. Foto: UDOP

Quanto de imediato e em 2022 o setor pode vender de bioeletricidade?

Zilmar José de Souza – Em abril deste ano, a pedido do Ministério de Minas e Energia (MME), a UNICA e a Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen) apresentaram levantamento apontando que centrais movidas a biomassa, principalmente de bagaço de cana, poderiam melhorar o cenário de oferta atual e gerar 4,6 mil GWh (gigawatts-hora) adicionais em energia entre agosto de 2021 e dezembro de 2022 com medidas de incentivo do governo, como uma contratação emergencial para compra da produção extra.

[Para se ter ideia, esse montante é suficiente para atender 2,5 milhões de residências, ou 1% do consumo anual de energia elétrica.]

Como a portaria prevê aquisições até dezembro de 2022, isso ajuda no planejamento do setor para a próxima safra?

Zilmar José de Souza – Estruturalmente, a biomassa da cana tem possibilidade de responder positivamente em momentos de escassez. Há uma possibilidade de geração extra que costuma ir de 5 a até 15% a mais do que o planejado inicialmente, com uma gestão sobre a biomassa própria e de terceiros, com a aquisição de cavaco de madeira, pó de serra, casca de arroz, de amendoim etc. 

Essa é uma avaliação sempre feita antes de começar a safra. Assim, para isto acontecer temos que ter um planejamento bem antecipado para organizar as operações de gestão da biomassa própria e, principalmente, de terceiros. 

Neste ano, como sempre, vamos ajudar em muito o SIN (Sistema Integrado Nacional), com a nossa geração que irá firme, sem intermitência, nos meses mais críticos do 2º semestre.

Mas a portaria publicada recentemente pelo MME ajudará sobretudo no planejamento da safra seguinte, já que as diretrizes da portaria valerão  até dezembro de 2022.

A portaria com foco na bioeletricidade permite que a usina venda MWh acima da Garantia Física em até quanto?  

Zilmar José de Souza –  Não há limitação para a venda da energia acima da Garantia Física sazonalizada, para usinas que possuírem Garantia Física estabelecida pelo Ministério de Minas e Energia.

Por qual valor médio o MWh de biomassa dessa compra deverá ser vendido? Pelo valor do PLD?   

Zilmar José de Souza – A UNICA não tem estimativas de preço, pois o universo de usinas é bem heterogêneo. Contudo, certamente essa geração adicional será importante para garantir a segurança energética e contribuirá para a modicidade tarifária e de preço junto ao consumidor final.