Conheça a UNALA, que reúne 10 dos principais países produtores de açúcar da América Latina

Formalizada em 2020, entidade atua em frentes que vão de temas regulatórios, sustentabilidade, comunicação a etanol

Conheça a UNALA, que reúne 10 dos principais países produtores de açúcar da América Latina
Crédito da imagem: JamesDeMers from Pixabay

Países produtores de açúcar da América Latina formalizam entidade para atuar por interesses comuns. Trata-se da União da Indústria de Açúcar da América Latina, a UNALA. 

Esse modelo de integração é prioritário na defesa do setor açucareiro da América Latina. Para se ter ideia, a entidade atua em 5 principais frentes: temas regulatórios, sustentabilidade, etanol, acesso a mercados e comunicação. 

Todos são temas prioritários em um mercado mundial que valoriza cada vez mais ações sustentáveis pelo meio ambiente e redução de emissões de gases de efeito estufa (GEEs) com o uso de biocombustíveis como o etanol.

“Com essa iniciativa, fica clara a importância e potenciais benefícios para o setor, advindos da troca de experiências e alinhamento de posições entre os países da região”, relata Eduardo Leão de Sousa, diretor executivo da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA). 

Ademais, a Unala possui musculatura: reúne atualmente 10 dos principais países produtores de açúcar da América Latina. 

Por sua vez, esses países representam 35% da produção mundial do adoçante e de mais de 50% das exportações mundiais do produto. 

No mais, o setor sucroenergético dos 10 países representa a geração de 1,8 milhão de empregos diretos

Concepção UNALA começou há cinco anos

UNALA

Antes de seguir adiante neste texto, vale destacar que o modelo de integração da UNALA começou a ser concebido há cinco anos em encontro de produtores em Buenos Aires, na Argentina.

A formalização se deu em 2020 e no fim do primeiro semestre deste 2021 foi realizada reunião da Assembleia Geral. 

Atualmente, a presidência da UNALA cabe a Guatemala, um dos países sucroenergéticos integrantes da entidade. 

Aliás, vale destacar alguns profissionais da América Latina que reforçam o peso do setor sucroenergético.  

Guatemala: Isabel Cordon E., diretora da União de Açucareiros Latinoamericanos, Luis Fernando Salazar Rosas, coordenador de relações internacionais na Associação de Açucareiros da Guatemala;  Juan Carlos Fernandez Quezada, diretor executivo na Açucareiros de Istmo Centroamericano (AICA – Guatemala); e Luiz Miguel Paiz, líder das instituições da Agro Indústria Açucareira de Guatemala; 

México: Richard Ham, diretor da Metele Cana S.A. (México); 

Argentina: Jorge Luis Feijóo, presidente do Centro Açucareiro Argentino;

Chile: Raimundo Diaz Dominguez, gerente comercial da Iansa S. A.;

Costa Rica: Edgar Herrera, diretor executivo na Laica;

Colômbia: Claudia Ximena Calero Cifuentes, diretora de gestão social e ambiental da Assocana;