Entenda o que é o volume morto de usina hidrelétrica e se ele pode gerar energia

Para especialista, eficiência baixa do volume não compensaria uso para geração de energia, mesmo durante a crise atual

Entenda o que é o volume morto de usina hidrelétrica e se ele pode gerar energia
Volume morto acumula sedimentos de reservatórios / REUTERS/Washington Alves

Por João Pedro Malardo, CNN Brasil Business

crise hídrica no Brasil reflete o movimento de redução do volume das barragens das usinas hidrelétricas, principais geradoras de energia no país. Mas nem toda a água armazenada é usada para energia: existe o chamado volume morto.

O termo se popularizou em 2014 devido à crise hídrica que atingiu São Paulo, quando foi necessário o uso do volume morto do sistema Cantareira para abastecimento de água. No universo das hidrelétricas, o conceito não é muito diferente, mas usar o volume morto para geração de energia pode trazer problemas, segundo especialistas. Entenda:

O que é o volume morto nas usinas hidrelétricas?

“O volume morto seria um volume que não é útil, que não contribui para o uso efetivo da água”, diz Arisvaldo Méllo, professor da Escola Politécnica da USP.

Isso não significa, porém, que o volume morto de uma barragem não possui utilidade. Segundo Méllo, ele é utilizado principalmente para acomodar sedimentos, ou seja, pedaços sólidos e outros grânulos que são trazidos pelo movimento da água.

“Essas partículas finas, quando encontram um ambiente em que a movimentação da água é lenta, decantam, então, tem que ter um espaço para acumular os sedimentos”, diz. A quantidade de sedimentos varia de barragem em barragem, pelas condições do solo e manejo de terra, o que faz o volume morto também variar.

Sergio Valdir Bajay, professor aposentado e pesquisador da Unicamp, afirma que o volume morto também pode ter outros usos, como garantir um volume mínimo de água para a navegação.

“Toda usina hidrelétrica, em princípio, tem que ter um reservatório, e tecnicamente ele é dividido em duas partes. Há o volume útil, usado para gerar energia, e o morto, que tem que se manter constante”, afirma.

Entre o volume útil e o morto, segundo Méllo, é comum existir também uma espécie de reserva estratégia, que ainda é contabilizada como volume útil, mas que é utilizada para geração de energia em situações mais extremas, como a atual.

Recentemente, os reservatórios das hidrelétricas de Ilha Solteira e de Três Irmãos, ambas em São Paulo, chegaram ao nível de 0% do volume útil.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) explicou, em nota, que o 0% registrado em setembro quer dizer que o volume de água já atingiu uma cota mínima para utilização da hidrovia, “porém isso não significa que o reservatório da usina esteja vazio”.

Esta é uma curadoria de conteúdo da RX Brasil sobre volume morto de usinas hidrelétricas. Para continuar lendo, acesse o site da CNN Brasil.

Leia também: E se a crise hídrica continuar e a economia retomar crescimento? Haverá energia?