Por que o aço inox ganha cada vez mais espaço nas usinas de cana e de milho

Resistência a desgastes é apenas uma das qualidade, segundo Iwao Ishizaki Neto, engenheiro de aplicações da Aperam South America

Iwao Ishizaki Neto – Engenheiro de Aplicações do Setor Sucroenergético |

Aperam South America

Resistência à abrasão, à corrosão e ao desgaste é uma das qualidades do aço inoxidável, que amplia cada vez mais sua presença nas plantas produtoras de cana-de-açúcar e de etanol. 

Mas os ganhos do inox vão bem além disso, relata Iwao Ishizaki Neto, Engenheiro de Aplicações do Setor Sucroenergético da Aperam South America. 

Nesta entrevista ao Energia Que Fala Com Você, Iwao comenta sobre ganhos do inox em vida útil, na redução de custos de manutenção e, entre outras, em resultados na produção de açúcar. 

A Aperam tem, em seu portfólio, aplicações em aço inox para usinas de cana e de milho. Por que uma empresa destas deve investir em aço inox?

Iwao Ishizaki Neto – O aço inoxidável tem como diferencial sua excelente resistência à abrasão, à corrosão e ao desgaste, além de agregar muito em sustentabilidade, por ser infinitamente reciclável. Por isso, o inox é muito utilizado em diversos setores da

indústria e pela construção civil, e seu uso tem sido crescente também no agronegócio e no transporte de cargas, principalmente cargas úmidas. 

Nas usinas de cana, desde a recepção, passando pela cogeração e chegando na destilaria, há a presença de umidade, impurezas minerais e vegetais, temperaturas elevadas e elementos químicos, como cloro e enxofre, resultando em um meio/ambiente corrosivo e abrasivo. 

O mesmo ocorre nas usinas dedicadas de milho, desde o recebimento do produto, passando pela liquefação, fermentação, até a destilaria.

Nesse tipo de ambiente, aços com baixa resistência à corrosão, como os aços carbono, possuem uma vida útil baixa em relação aos aços inoxidáveis. 

O que mais? 

Iwao Ishizaki Neto – Outro fator importante que devemos ressaltar em relação ao inox, principalmente quando utilizado em feixes tubulares trocadores de calor, é a sua maior eficiência na troca térmica em relação a outros materiais, por razões como a microestrutura do material, menor espessura de parede do tubo e menor índice de incrustações. 

Por fim, quando se utiliza o aço inox, seja por sua maior resistência à corrosão e ao desgaste, e/ou por suas propriedades mecânicas superiores (limite de resistência e limite de escoamento, por exemplo), é possível pensar em reduções de espessura resultando em uma menor quantidade de material a ser aplicado.

Isso reflete em ganho de vida útil? 

Iwao Ishizaki Neto – Com o inox é possível aumentar a vida útil dos equipamentos e reduzir a quantidade de aço utilizado, diminuindo a espessura do material, quando possível. 

O resultado disso é o maior rendimento dos processos e um menor custo de manutenção, incluindo mão de obra, e maior disponibilidade dos equipamentos (devido à redução das paradas não programadas).

Quais os ganhos para a produção de açúcar?

Iwao Ishizaki Neto – Outro aspecto importante está relacionado à qualidade do açúcar produzido, quando se utiliza aço inox em equipamentos como fundos e laterais de esteiras, dutos, caixas e feixes tubulares de evaporação de caldo. 

Quando se opta pela utilização do inox, há uma redução da quantidade de pontos pretos no açúcar, que têm origem no

processo de corrosão comum que acontece com os aços carbono. 

Os aços inoxidáveis, por terem maior resistência à corrosão, fazem com que o açúcar produzido tenha uma menor incidência de pontos pretos.

Exemplifique os ganhos de se investir em aço para uma usina de capacidade de moagem de 3 milhões de toneladas de cana a 5 milhões de toneladas. 

Iwao Ishizaki Neto – Podemos exemplificar esses ganhos em produtos como lavadores de gás, chaminés e evaporadores, que são usados nesse tipo de usina. 

Vamos considerar o lavador de gás, um exemplo bem conhecido, e onde o aço inoxidável da Aperam foi aplicado em equipamentos que já estão há mais de 10 safras em operação, sem a necessidade de manutenções.

Como parâmetro, consideramos uma vida útil média de lavadores de gases em aço carbono em torno de 5 safras, com manutenções periódicas (pesadas) a partir da 3a safra, sendo necessária uma grande reforma ou substituição a partir da 5a safra. Com o uso do aço inoxidável, o lavador já se paga no fim da 4a safra, com ou sem a redução da espessura.

Fizemos uma simulação, há aproximadamente 2 anos, que mostra a vantagem do uso do inox em lavadores de gás, por permitir a redução dos custos com mão de obra e matéria-prima:

Simulação de 1 lavador sem redução de espessura:

Simulação de 1 lavador com redução de espessura:

Quais as principais aplicações em aço implantadas em usinas? E qual é a carteira da Aperam no setor sucroenergético?

Iwao Ishizaki Neto – O aço inox atualmente é aplicado praticamente em todas as etapas do processo de produção, em diferentes setores industriais. 

Em usinas que produzem etanol a partir de cana de açúcar, a Aperam tem uma extensa carteira, com produtos em forma de chapas e tubos para aplicação em fundo e taliscas de mesa alimentadora, cambotas, taliscas, laterais e fundo do esteirão (esteira metálica de cana), Shut Donelly, esteiras intermediárias (taliscas e correntes entre moendas), coletores de

caldo, feixe tubular de pré-evaporadores e evaporadores, tubos de interligação das linhas de evaporação, fundo de esteira condutora de bagaço, bica dosadora de bagaço da caldeira, tubulação do pré-aquecedor de ar da caldeira, lavadores de gases, chaminé, destilaria, tubos para condução de vinhaça, etc. 

Atendemos praticamente todas as usinas do Brasil com nossos aços, através da venda direta na planta industrial da Aperam South America, Timóteo, ou através de nossos distribuidores.

Muitas das usinas ainda se ressentem da falta de recursos financeiros para investir e acabam de sair de uma safra com oferta 10% menor (devido à seca e à geada). A Aperam oferece alguma condição para facilitar esses investimentos por aplicações em aço inox?

Iwao Ishizaki Neto – Os clientes da Aperam South America possuem alternativas para a aquisição de aço inoxidável por meio da nossa rede de distribuição. 

Quando a quantidade a ser comprada é um pouco maior, essa aquisição pode ser realizada diretamente em nossa usina, e as condições comerciais podem ser mais atrativas.

Como a Aperam trabalha? Se o projeto é trocar aplicações, a empresa assume desde a engenharia até a implantação? Temos pela frente uma entressafra longa. Caso uma usina decida investir em aplicações inox ainda é possível fazer?

Iwao Ishizaki Neto – A Aperam South America produz aço no formato de bobinas, chapas ou tubos e possui um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento que presta apoio técnico sem custo algum aos clientes.

Junto aos clientes do setor sucroenergético, o nosso atendimento engloba a especificação do aço mais adequado, treinamentos sobre aplicações de aços inoxidáveis, visitas técnicas, testes de campo com amostras e assistência técnica. 

Já o Centro de Pesquisa oferece aos clientes serviços como ensaios de corrosão e desgaste, microscopia óptica ou eletrônica de varredura, simulação por elementos finitos, treinamentos sobre corrosão, soldagem e desgaste e auxílio em análises de falhas. 

A Aperam oferece todo esse suporte aos clientes, no entanto não assume a engenharia ou implantação. 

Estamos o tempo todo em visita a usinas de cana e de milho com o objetivo de levar informação para que os clientes possam adquirir o melhor aço para a aplicação desejada, e todo ano a nossa usina, nossos distribuidores e nossa fábrica de tubos se preparam para a entressafra das usinas de cana, seja curta ou mais longa, como essa de agora. 

A ideia é que possamos oferecer de forma rápida os aços (em diferentes espessuras e larguras) mais utilizados pelo segmento. Então, sim, ainda é possível investir em aço inox, seja comprando chapas ou tubos.

Quais os próximos passos das aplicações em inox? Onde elas irão ser oferecidas nas áreas industriais das usinas?

Iwao Ishizaki Neto – Atualmente, temos algumas frentes lideradas pela equipe de Pesquisa e Desenvolvimento da Aperam, e podemos destacar os trabalhos que estamos conduzindo com o nosso novo aço inoxidável, o ENDUR 300, que já é comercializado junto ao segmento de transporte ferroviário (vagões de minério) e

rodoviário (caçambas basculantes, caminhões betoneira e caminhões de lixo).

Trata-se de um aço inoxidável de alta resistência e baixo custo, com eficiência e desempenho superiores em relação aos aços carbono, que oferece resistência à corrosão e ao desgaste com elevadas propriedades mecânicas. 

Nos testes em laterais de esteira, em regiões próximas ao picador/desfibrador, região muito crítica em relação ao desgaste, o ENDUR 300 apresentou uma vida útil pelo menos 3 vezes maior que a do aço carbono. 

Além disso, estamos utilizando o produto para a

fabricação de taliscas (de esteirão, entre moendas, mesa alimentadora e bagaço) com redução da espessura utilizada e aumento da vida útil também em 3 vezes em relação ao aço carbono, pelo menos.

Outra frente está relacionada à utilização do aço inoxidável em correntes. 

Iniciamos os testes há 3 anos nas correntes entre moenda, fabricando correntes com laterais em aço inox, utilizando pinos e buchas de inox e/ou de aço carbono. 

Os resultados mostram que as laterais das correntes não sofreram perda de espessura e os pinos e as buchas tiveram sua vida prolongada.

A Aperam está o tempo todo junto às usinas, buscando soluções que proporcionem maior durabilidade e que sejam economicamente viáveis, utilizando toda a sua estrutura de pesquisa e desenvolvimento para encontrar a melhor solução.

Internamente, a Aperam também trabalha pela descarbonização. Como faz isso?

Iwao Ishizaki Neto – Sim, esse é um ponto muito importante para nós da Aperam. Desde 2011, utilizamos exclusivamente carvão vegetal na produção do aço, gerando assim o Aço Verde Aperam. 

Basicamente, substituímos a utilização do carvão mineral, altamente

poluente, pelo carvão vegetal, produzido de forma sustentável, o que faz com que sejamos a única produtora de aços planos especiais no mundo que utiliza exclusivamente carvão vegetal no processo produtivo. 

Nossa produção emite uma quantidade bem menor de gases de Efeito Estufa na atmosfera e temos a menor pegada de carbono do segmento. Seguimos norteados pelo plano global de redução das emissões de CO2 em 30%, até 2030, e atuamos com foco na meta de nos

tornarmos uma companhia com pegada zero carbono, até 2050.

Todo o carvão que utilizamos é proveniente das florestas renováveis de eucalipto cultivadas pela Aperam BioEnergia, nossa subsidiária no Vale do Jequitinhonha, com a certificação do Forest Stewardship Council® (FSC®). 

Além disso, cuidamos desde o aspecto biológico no plantio das mudas, com práticas de melhoramento genético, até a carbonização da madeira, que utiliza tecnologia patenteada que reduz significativamente a emissão de fumaça na atmosfera, além de outros

cuidados aplicados em todas as etapas do processo.

Fique à vontade para comentar mais sobre temas de interesse da empresa.

Iwao Ishizaki Neto – A Aperam tem feito um forte movimento de promoção da cultura da inovação, um dos valores essenciais da empresa. 

Fazemos isso seguindo o conceito de “inovabilidade” que significa inovar tendo a sustentabilidade como condição

fundamental. Investimos de forma contínua em pesquisa e desenvolvimento de soluções inovadoras e mantemos há 25 anos um Centro de Pesquisas próprio em nossa planta industrial em Timóteo (MG), com tecnologia de ponta e equipe altamente capacitada, além de uma equipe em São Paulo, na área comercial, dedicada ao estudo de novas aplicações do aço para o mercado brasileiro.

Atualmente, utilizamos plataformas de Open Innovation para encontrar startups que possam contribuir com soluções para nossas demandas, com o objetivo de desenvolver processos e ferramentas eficientes que possam também ser úteis aos nossos clientes.

Dentro dessa cultura de inovação, estamos promovendo a segunda edição do Aperam Awards, que irá premiar as ideias mais inovadoras utilizando o aço inoxidável.

Como exemplos de iniciativas de inovação, temos o ENDUR, já citado, primeiro Aço Inoxidável de Alta Resistência do mundo, que nasceu da demanda de nossos clientes de terem um material mais durável, resistente e que fosse produzido de forma sustentável. Podemos citar também a Betoneira Ultraleve e o Tambor Inoxidável Retornável, aplicações que trazem uma nova realidade de durabilidade infinitamente maior, que se traduz na redução do consumo. 

Outras soluções inovadoras sustentáveis ​​incluem produtos para sistemas de energia renovável, veículos elétricos, eletrodomésticos mais eficientes, tratamento de água seguro e outros, como o Carro Forrageiro, utilizado para alimentação animal no agronegócio.

Sobre a Aperam South America

A Aperam South America é produtora integrada de aços planos inoxidáveis, elétricos e carbono. A partir de uma gestão baseada nos valores: liderança, inovação e agilidade, consolida-se como líder no mercado brasileiro em seu segmento. 

Sua planta industrial, localizada em Timóteo-MG, possui capacidade produtiva total de 900 mil toneladas de aço líquido por ano. Utiliza 100% de carvão vegetal produzido por sua subsidiária no Vale do Jequitinhonha: a Aperam BioEnergia.

A BioEnergia produz e comercializa carvão vegetal, tecnologia, mudas e sementes, a partir de florestas renováveis de eucalipto em Minas Gerais. 

Desde 2011, integra o Grupo Aperam, segundo maior da Europa, composto de outras cinco plantas industriais na França e na Bélgica, cuja capacidade alcança 2,5 milhões de toneladas de placas de

aço por ano.