Conheça ações para ter mais eficiência na gestão de energia

Indicações são de executivos da CPFL Soluções, da Sabesp e da Ecoee participantes de webinar promovido pela RX e pela Abinee

Conheça ações para ter mais eficiência na gestão de energia
Crédito: Susan-lu4esm/Pixabay

Como planejar a gestão da energia com mais eficiência e ganho de performance. Este é o tema de webinar da FIEE e CPFL Soluções que reuniu Cyro Boccuzzi, sócio diretor da Ecoee; Gisele da Cunha Abreu, gerente de gestão de energia da Sabesp; Flávio Souza, diretor comercial da CPFL Soluções; e Marcelo Machado, diretor da área de GTD da Abinee e moderador.  

Promovido pela RX e Abinee no dia 09 de dezembro, o evento online traz avaliações precisas dos especialistas sobre o tema discutido.  

Destaques dos participantes 

Energia Que Fala Com Você apresenta a seguir destaques das apresentações de cada um dos participantes.

Marcelo Machado, diretor da área de GTD da Abinee, moderador do evento

Qualidade da energia e cibernética 

A qualidade da energia é importante, não pode deteriorar. E quando se fala em segurança, não é só a pessoal, mas de outros aspectos que preocupam: a cibernética. 

Por exemplo: com o advento da IoT, há elos de vulnerabilidade que exigem precauções para evitar ataques de hackers.  

Cyro Boccuzzi, sócio diretor da Ecoee

Desafios para as empresas 

Ainda estamos vivenciando uma crise hídrica, com aumentos previstos no radar, com diferimentos sucessivos de tarifas, bandeiras. Para grandes empresas, os desafios são: o custo da energia, impactado pela inflação.  

A questão da crise é a segurança do abastecimento no curto e médio prazo. 2022 ainda será ano de grandes desafios. As empresas também estão preocupadas com as questões ambientais, sociais e de governança corporativa [ESG, na sigla em inglês]. 

O que fazer

É preciso separar o que é administrativo, de tratamento regulatório.  

Primeiro: a gestão de contratos visa redução direta de custos. São ações administrativas fora da planta. A questão da eficiência busca redução de volume. São ações físicas que a empresa precisa executar.  

Otimizar contrato 

Otimização de contrato: se o cliente está em baixa tensão e a legislação permite que ele pode migrar para a alta, isso trará incentivo com pouco investimento.  

Fazer gestão da produção para controlar a ponta também traz reduções de custos importantes. É preciso diagnóstico eficiente. 

Gestão das multas 

E há a questão das multas: são discriminadas na fatura, vão direto ao financeiro e ninguém olha. É possível eliminá-las com gestão. 

Questão do mercado livre 

E tem o mercado livre: ele é uma possibilidade hoje para unidades com alta tensão, maiores que 500 kilowatts, mas que podem unir com mesmo CNPJ, podem se associar a gerador próprio e usufruir de tarifas a autoprodutores.  

Alternativa do GD 

Para quem está fora desse mercado, tem a alternativa da Geração Distribuída (GD), seja sistemas dentro da própria planta ou contratados por meio de geração. Se faz isso via contratos. 

Questão da eficiência 

Outra frente: a questão da eficiência energética. A primeira ação é o retrofit (troca de lâmpadas, de ar-condicionado antigo), que indiretamente gera redução de custos. 

Reformas de instalações elétricas: atendimento à legislação de segurança, adequações, também são comuns em edificações com medidas simples, caso de pintura em paredes para usar mais a iluminação. 

Segurança energética 

Finalmente, em passo mais adiante, de segurança energética, entram os sistemas de geração, ou cogeração (ciclo combinado para capturar calor e frio), o que permite tocar o condicionamento do ambiente. Importante de tudo isso é que não existe uma bala de prata. O cliente precisa ser olhado caso a caso.  

Autoprodução  

A autoprodução é um caminho sem volta. O avanço da ESG, junto a empresas com muitos sites em baixa tensão, abre o mercado de autoprodução.  

Saímos de 0 de geração solar em 2013 para bater em 8 GW de geração descentralizada.  

Todas as empresas com agenda ESG estão se transformando em empresas de energia. Mesmo as de serviços públicos estão migrando para fazer GD em unidades de baixa tensão.  

E mesmo os que estão no Mercado Livre querem se tornar sócias de grandes plantas solares centralizadas e eólicas. O autoprodutor tem encargos mais reduzidos.  

É preciso fazer a conta, analisar caso a caso, e retornos. Mas o interesse pela autoprodução é gigantesco. 

Impacto de custos 

De maneira geral, os grandes clientes têm preocupação com custos e usos, e na parte do impacto, da pegada da forma de ações. Isso implica a substituição de equipamentos, nem sempre por custos, mas por ações – é o caso de usar etanol no lugar da gasolina, por questões de planeta.  

Qualidade 

Em relação à qualidade da energia: hoje há muita tecnologia e hoje, quem instala automação, tem nível de monitoramento avançado, impensável há quatro anos, e ela traz no-breakers, por exemplo, como ferramenta de uso crescente.  

Gisele da Cunha Abreu, gerente de gestão de energia da Sabesp

Gestão 

A Sabesp, por ser de saneamento, é muito dependente de energia. Consumimos 2% da energia consumida no estado de São Paulo.  

Assim, consumimos de 16 distribuidoras de energia no Estado. Isso traz exigência ainda maior em gestão.  

Mercado livre 

Iniciamos em mercado livre em 2004 e fomos progredindo na complexidade. Temos hoje 8 mil pontos de consumo de energia e, destes, 67 estão no mercado livre. Temos grande economia, só que além do benefício de reduzir gastos, reduz a previsibilidade de gastos.  

Quando está no Mercado Livre, consegue atenuar os custos elevados via bandeiras tarifárias no mercado regulado.  

Sabesp busca a eficiência tarifária e, assim, reduz custos aos clientes via Mercado Livre. 

Compra e venda 

Hoje trabalhamos no aprimoramento. Fizemos contrato de compra e venda [PPA] com a CPFL de 10 anos com a aquisição de energia renovável.  

Planejamento e ações em curso 

Primeiro é preciso fazer a análise dos contratos e partir para ações. Essencial compreender como é nosso consumo e qual estágio está o contrato. Daí consegue enxergar instalações que estão no mercado regulado.  

Geração fotovoltaica 

A Sabesp, pela característica dela, tem áreas no interior paulista não usadas e criamos programa fotovoltaico para produzir e abater custos de baixa tensão. Com isso também promovemos a descarbonização.  

Armazenamento de energia em baterias 

A maturação e aplicação da tecnologia é esperada por nós, consumidores. Não fez ação, por ora, porque entendemos que não se atingiu nível de maturação adequado.  

Temos feito investimento em geração renovável, porque traz benefício via, por exemplo, uso do PLD horário. Usa energia solar quando a regulada é mais cara.  

Ações de eficiência  

Passamos a adquirir equipamentos considerando nível de eficiência como critério. Não olhamos o melhor preço, mas quando irá gerar de gasto de energia no longo prazo. Isso mostra ao mercado que queremos equipamentos de grande eficiência. Fez programa com a CPFL para substituir motores abaixo de 2009 e conseguimos reduzir em 5% o consumo de energia.  

Veja também: Elevado custo na produção de eletricidade combate-se produzindo energia limpa, diz ministro

Flávio Souza, diretor comercial da CPFL Soluções

Entender a necessidade 

Considerando que a CPFL está em vários mercados, e tem experiência densa, é importante entender a necessidade e a condição do cliente.  

A Sabesp, por exemplo, pode esticar a aquisição e ter previsibilidade. Veja este ano: com a escassez hídrica, o custo subiu muito, já em outubro, quando houve chuvas, o preço caiu.  

Previsibilidade 

A amplitude no mercado livre foi de R$ 600 [pelo megawatt-hora] a abaixo de R$ 70. O cliente não quer estar à mercê. É preciso ter previsibilidade no longo prazo.  

Daí, no caso do contrato com a Sabesp, há custo operacional menor e previsibilidade com energia de fontes renováveis. E garantia de ter o recebimento dessa energia.  

Mercado livre 

O ambiente do mercado livre cresce a cada ano e o que se discute no mercado é a liberalização. Hoje para potência acima de 500 kW e, nos próximos anos, clientes de consumo poderão também ter acesso e usufruir das condições desse Mercado.  

Conexão e transmissão 

De fato, a capacidade do Brasil de fontes alternativas: mais de 60% é de fonte hídrica, renovável, mas há o crescimento vertiginoso da fotovoltaica. Demonstra que todo o país tem capacidade.  

E tem, com a tecnologia, em inversores e placas, há ganho que traz segurança maior ao cliente.  

E o desafio é conectar a energia solar no Nordeste para o consumidor no Centro-Sul. Há gargalo, sim. Temos mais de 22 GW gerados de fontes energéticas da CPFL e é desafio trazer.  

Outro ponto é como a empresa se conecta ao grid. Há muitas conexões em baixa que poderiam ir para média ou alta tensão, com redução de tarifas. A CPFL pode dar suporte neste diagnóstico. Há muitas tecnologias, o ambiente é complexo, mas é possível escolher a melhor opção para o caso dele.  

Baterias 

A tecnologia vem se desenvolvendo, como foi com as eólicas. Há a questão do custo. CPFL já fez cinco projetos de P&D tanto de compensação de armazenamento das baterias via energia eólica.  

O desafio é a questão do custo. Veja o caso da bateria dos celulares, cujo custo tem caído. E cairá também no caso das baterias para energia.  

Há empresas de tecnologia como datacenters que não podem ficar sem back-up e usam grandes capacidades de baterias. Não podem ter interrupção no fornecimento e, assim, o custo da operação entra no capex.  

Questão da eficiência 

Eficiência é uma palavra muito comentada. O potencial do Brasil é gigante. E vai desde uma mudança cultural. E a tecnologia ajuda muito: a telemetria, ao medir, permite tomada de ação. E isso traz cultura de eficiência.  

Há sistema com maquinário mais antigo em que a simples troca, ou modernização, gera grande economia de consumo. Eficiência precisa gerar economia no médio e longo prazo. E a CPFL, por ter parque instalado grande, temos laboratório grande e levamos os cases de operação para nossos clientes. No fim das contas, cliente quer sistema com menos problema, segurança no fornecimento e custo mais competitivo.